Prefeitura de Água Boa realiza Campanha Ouvido Nota 10 nas Escolas Municipais

Postado em 02 Março 2018
por Comunicação de Água Boa
em Saúde
Acessos: 330

Através da parceria entre as Secretarias de Saúde e Educação, iniciou-se em Água Boa, mais um projeto de grande importância; a CAMPANHA OUVIDO NOTA 10. Será realizada a triagem auditiva completa dos alunos até o nono ano da rede pública municipal de ensino, tanto urbana, rural e indígena.

O Secretário Municipal de Saúde Jader Bahia explica que a campanha, possibilitará a obtenção de dados epidemiológicos significativos quanto à saúde auditiva dos alunos.

Serão aproximadamente 4.000 alunos acompanhados, de forma que o panorama epidemiológico destes possibilitará a implementação de ações eficientes de prevenção, reabilitação e cura de possíveis patologias ou deficiências encontradas, de forma a dar condições ideais aos alunos para que tenham uma vida escolar adequada e possam constituir grandes carreiras no futuro.

A campanha também preencherá requisitos dispostos no Programa Saúde na Escola – PSE do Governo Federal. Estaremos nesse primeiro momento passando pelas escolas municipais pactuadas com o programa, mas toda a educação municipal será contemplada com as avaliações e exames auditivos (Otoscopia, Emissões Otoacústicas, Impedanciometria e Audiometria Tonal, Vocal ou Condicionada). Ainda, caso necessite e a partir dos resultados obtidos de alguns alunos, os mesmos serão encaminhados para consulta e tratamento com o Médico Otorrinolaringologista. Para aderir à campanha e garantir a participação na mesma, os pais deverão preencher devidamente o questionário enviado pelas escolas, assim como o Termo de Consentimento. Aproveite a oportunidade quando a equipe chegar à escola de seu filho. Quem ouve bem, aprende melhor.

A perda auditiva pode acontecer de diversos graus e tipos, e como não vem acompanhada de dor, muitas vezes pode-se confundir com desatenção, “hiperatividade”, teimosia, explica a fonoaudióloga responsável pelo Projeto Dra. Kathilleenn Keilla.  “Temos que evitar que passem desapercebidos déficits auditivos leves que já influenciam diretamente na aprendizagem e na comunicação dos alunos. Não podemos correr esse risco na educação infantil e fundamental, porque com a privação da audição perfeita, o aluno não aprende bem, em algumas vezes fala errado e se isola socialmente, pela falta de diagnóstico de alterações que na grande maioria das vezes tem tratamento se percebidas precocemente”. Comenta Kathilleenn Keilla.